Páginas

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Eu achei que estava bem. Que eu havia conseguido recuperar um pouco da minha força. Achei que podia levantar e continuar. Eu estava errada. Ainda estava fraca demais. Tanto que coisas bobas me machucaram. Tudo me atingia, tudo me feria, tudo me magoava. Eu ainda estava vulnerável. Mas como sempre, a mania de dizer que tudo estava bem foi a solução. Mentia todos os dias.Acharam que eu tinha superado. Eu gostei disso. De ver aqueles que amo felizes por mim. Mesmo que era uma felicidade baseada numa mentira. Eles não precisavam saber que era falso. Só eu sabia. Isso estava matando só a mim. Melhor assim. Não me importava comigo mesma, e pensando bem, ainda não me importo. Era fácil, sabe. Fingir que tinha sobrevivido. Fingir que, por dentro, eu não estava morta. Quem é que precisava saber que eu passava a noite chorando baixinho ? Quem precisava saber que estava doendo ? Quem precisava saber que eu estava desistindo ? Ninguém. E, sozinha novamente, eu fui lutando contra tudo que me fazia mal. Mas quanto mais eu lutava mais fraca eu ficava. Tudo bem, eu tentei, e o que vale é a intenção. Mas no final eu desisti. Era melhor pra mim. Desisti de mim mesma. Deixei as coisas como estavam. Resolvi aceitar que ia ser sempre assim. Aceitar que eu não ia ficar bem realmente. Aceitar que eu ia ter que continuar mentindo, pra deixar todos que eu amava felizes. Aceitar que eu nunca voltaria a ser como eu fui um dia. Resolvi aceitar que meu suicídio havia começado de dentro pra fora.

Nenhum comentário: