Páginas

quinta-feira, 27 de outubro de 2011


Eu podia sentir de novo o meu coração sendo partido ao meio, e a sensação de
que meu corpo inteiro doía, acompanhados da enorme onda de desespero e vontade de chorar. Tudo o que eu conseguia pensar era em sair correndo, sumir dali. No entanto, eu estava imóvel, com os olhos presos no nada e tentando me manter firme enquanto as palavras que eu ouvira estavam sendo digeridas. Eu sabia que a culpa era toda minha, o incrível dom de afastar de mim as pessoas que eu mais queria por perto. Mais saber que a culpa era minha não era a pior parte, a pior parte era saber que eu o havia magoado. Eu magoei quem mais me fazia bem. Isso me deixava com nojo de mim mesma. E tudo o que eu podia fazer? Nada. Eu não via soluções, não via opções. Era só aquele momento, aquele vazio, aquela dor. Eu sabia que não ia me curar tão fácil. O que eu não sabia era como iria superar a perda de mais alguém. Era só isso, doía muito, e eu não aguentava mais.



Meu diário pessoal .. Data: 28/07/2008.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011


Quando ameaçar doer demais: invente uma boa abobrinha e ria, feito louco, feito idiota, ria até que o que parece trágico perca o sentido.

Caio F. Abreu 




sábado, 15 de outubro de 2011


Não haja como se não sentisse amor, se você sente. Não desista de algo importante, se é exatamente isso que te faz feliz. Algumas pessoas desistem no meio do caminho, por falta de coragem ou medo de sofrer. Seja diferente: lute, ainda que doa, ainda que sofra, mas no final de tudo, tenha orgulho de dizer que ao menos tentou ser feliz, independente de ter conseguido ou não.