Páginas

terça-feira, 28 de maio de 2013


“… E você mentiu em dizer que cumpre promessas. Porque você está se esquecendo da principal, você me disse que jamais iria me deixar sozinha, e é exatamente isso que você está fazendo.
Você sabe que sou de lua, que vou te chamar de idiota, que vamos brigar o tempo inteiro, que vamos sempre discordar em tudo, que eu vou te mandar embora trinta vezes ao mês. Que eu vou embora quase sempre. Mas você sabe que eu sempre volto pra você. Eu sempre volto.”

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Isso me fez lembrar do Wagner, hoje nem amigos somos mais, apenas dois desconhecidos. :(

"Sim, lembro de quando a gente começo a se falar de verdade, quem diria né, de lá pra cá mudo tanta coisas, os amores, as razoes, os sentimentos. Mas não era pra ter acontecido isso, era simplesmente para sermos bons amigos e parece que nem isso a gente é mais. Queria ter feito TUDO diferente, sim, iria ser pior para mim, mas pelo o menos você estaria melhor, e na boa, pra mim isso que importa. Mas como não da para voltar no tempo só fico com pequenas cenas na minha memoria. Lembro de cada “briga” nossa, de cada piti, de cada sms, de cada abraço, daquela viagem, de cada aranhão, daquelas musicas, de cada segundo do seu lado. Tá, não deu certo, não era para dar, não era a hora certa, e não, não é culpa sua, e minha também não, porque você lembra? era só para ser amizade, então, que tal recomeçarmos e salva o pouco que nos restou?"
"Eu nunca vou conseguir falar de você. Para ninguém, ninguém. Eu posso até dizer umas coisinhas aqui, outras ali, posso até dizer que você é lindo, me faz um bem danado, etc. Mas dizer sobre você, sobre quem você é pra mim… nunca. Porque eu tenho essa coisa estúpida de não conseguir falar quando fico nervosa. E aparecer uma enxurrada de lágrimas na minha visão. E parecer que existe uma bola de pelo na minha garganta. Fica tudo uma merda. E eu nunca vou conseguir falar de você por causa disso. Porque eu fico nervosa, choro, sinto saudade, paixão acumulada, desejo, instinto de proteção, carinho, ciúme e amor. Isso tudo só de pronunciar as sílabas do seu nome."

quinta-feira, 16 de maio de 2013


"Eu vou ignorar você em alguns momentos, e logo depois vou te procurar como se a distância me arrancasse os pulmões. Vou fingir que minha loucura não é o que nos afasta, e que você não gosta disso. Eu vou cansar, xingar você, mas depois vou querer um pouco do teu colo. Meus ciumes irão te chatear ou aumentar o teu ego, você só precisa aprender a não intiga-los, e então seremos felizes. Não sempre, claro, mas até o próximo surto, me curta. Aproveita meus momentos de puro dengo e me escuta dizer baixinho, sussurrando, que é de você que eu gosto. Mas depois me deixa te bater, porque eu vou fingir que me zango para te ver preocupado em me acalmar. Pede desculpa, vai, espera que vou me desculpar. Se eu der beijinho sara? Me ensina um jeito bom de amar."