Páginas

segunda-feira, 30 de julho de 2012


Eu sei como é tudo isso.Eu sei como é se segurar e deixar para chorar só quando ligar o chuveiro, assim ninguém percebe. Eu sei como é refletir sobre a vida antes de dormir e se certificar de que ninguém está ouvindo para começar a soluçar. Eu sei como é sofrer tão dolorosamente que as vezes você precisa fingir que vai ao banheiro, ou beber água, apenas para lavar o rosto e se recompor. Eu sei como é ter os olhos úmidos e aquele medo de que não seja forte o suficiente para segurar as lágrimas quando está em público. Eu sei como é sentir aquele nó enorme na garganta, que te sufoca, até que você cede e chora. Eu sei como é sentar na cama, pegar o travesseiro e chorar tanto, mas tanto, que se surpreende com o rio que terá que esconder da sua família. Acredite, eu sei como é tudo isso.

domingo, 15 de julho de 2012









Um dia você vai estar sozinho, vai fechar os olhos e tudo estará negro. Os números da sua agenda passarão claramente na sua frente e você não terá nenhum numero mais pra discar. Sua boca vai tentar chamar alguém, mas não há ninguém solidário o bastante pra sair correndo e te dar um abraço, ou te colocar no colo e acariciar seus cabelos até que o mundo pare de girar. Nessa fração de segundos, quando seus pés se perderem do chão, você vai se lembrar da minha ternura e do meu sorriso infantil. Virão súbitas memórias dos meus abraços e beijos, da minha preocupação com você, e só vão ter algumas musicas repetindo no seu rádio:as nossas. Em um novo momento, você vai sentir um aperto no peito, uma pausa na respiração e vai torcer bem forte pra ter nosso mundo delicioso de novo. O nome disso é saudade, aquilo que eu tinha tanto, e te falava sempre. E quando você finalmente discar meu numero, ele estará ocupado demais, ou nem será mais o mesmo, ou até mesmo que eu não queira mais te atender. E se você bater na minha porta, ela estará muito trancada, e se aberta, mostrará uma casa vazia. Seus olhos te ensinarão o que são lágrimas, aquelas que eu te disse que ardiam tanto. O nome do enjoo que você vai sentir é arrependimento, e a falta de fome que virá se chamar tristeza. Então, quando os dias passarem e eu não te ligar, quando nada de bom te acontecer, e ninguém te olhar com meus olhos encantados, você encontrará a famosa solidão. A partir daí, o que acontecerá, chama-se surpresa. E provavelmente o remédio pra todas essas sensações acima..
É o tal do tempo em que você tanto falava!

"Ei, só vim avisar que estou desistindo, ok? Acho que assim será melhor, com ou sem você, já não importa mais. Venho vivendo em um permanente e inútil sacrifício, apenas mudarei o foco. Prometo esquecer-te. Aprendi a lembrar de ti a todo momento, agora bastará lembrar de te esquecer. Não vai ser difícil, vou tentar lembrar do muito que te dei e do pouco que recebi, vou lembrar dos sorrisos que desejei enquanto as lágrimas tomavam conta de mim, vou lembrar do quanto te amei e o que isso significou pra você. Bom, será assim. Vou sofrer como antes, mas dessa vez terei amor próprio, cuidarei mais do meu "eu".Posso ter sido mais uma pra você, mas sou única pra mim."

__Caio Fernando Abreu.

Blog https://www.facebook.com/MeninasDeSaltoAlto


quinta-feira, 5 de julho de 2012


“No fundo, mesmo lendo tanto, pensando tanto e filosofando tanto, a gente gosta mesmo é de quem é simples e feliz. A gente não se apaixona por ninguém que vive reclamando e amassando jornais contra a parede. A gente se apaixona por esses tipinhos banais que vivem rindo. E a gente se pergunta: que é que ele tem que brilha tanto? Que é que ele tem que quando chega ofusca todo o resto? Como é que dá pra ser feliz nesse mundo? Vence quem passa por essa vida rindo. E se o preço que se paga por ser um pouco feliz é ser um pouco idiota, dane-se.”



domingo, 1 de julho de 2012

Fiquei sabendo que te ligaram durante a madrugada da noite anterior, e que você atendeu completamente dormindo e a pessoa desligou sem nem dizer quem era. E esse “fiquei sabendo” é a minha maneira simpática e não tão maníaca de te contar que fui eu. E que eu sei que você estava dormindo porque você atendeu com aquela voz meio grogue. Além do fato de que você atendeu. E você não costuma atender números desconhecidos à qualquer hora do dia. Número desconhecido porque eu mudei meu número e… Já que nós não nos falamos mais, eu não faço ideia de como te falar que eu mudei o número. Não dá para ligar e dizer que quero que você guarde ele, mesmo sem usar, assim como eu guardo o seu. Mas parte minha queria que você apenas soubesse, entende? Parte minha queria que você tivesse atendido ao telefone porque sabia que era eu. Porque parte de você sempre sabe quando sou eu. E ontem à noite eu apenas não conseguia dormir, e queria que você soubesse disso também. Acho que foi por isso que eu te liguei. Houve uma época que em nossas noites mal dormidas eram as mesmas, em que os motivos pelos quais não conseguíamos dormir eram os mesmos. Você e eu. Sempre. Não mais. Você dormia tranquilamente, enquanto eu me debatia entre a falta de ar e a vontade de gritar. Você não se lembrava da minha existência, quando eu apenas desejava que os piores pesadelos se passassem pela sua mente, que eu te assombrasse mesmo nos melhores sonhos. A verdade é que esses meses todos não mudaram nada em mim. Eu continuo sendo apenas uma criança por dentro, continuo querendo destruir a casa toda vez que alguém me destrói. E prefiro não ter um lar do que chamar de lar aquilo que nem residência é. Eu não sei mentir. Ou melhor, eu sei mentir muito bem. Apenas não quando se trata de você. Quando você está diante de mim, eu me torno transparente. E tenho a impressão de que há mil paredes me afastando de você. Eu sempre estive pronta para falar a verdade. Você que nunca quis. Você que sempre fugiu quando o assunto era nós dois. Você que apenas riu e olhou para mim como quem pede desculpas. Não peça. Apenas me diga o que está acontecendo. Apenas me ligue e diga que sabia que era eu ligando. Que sempre soube. Que sempre saberá. E que sente muito também.