Páginas

domingo, 31 de janeiro de 2010


"O que eu fui ontem, anteontem, já é memória.
Escada vencida degrau por degrau,... mas o que eu sou neste momento é o que conta!
Minhas decisões valem somente para agora...
Hoje é o meu dia, nenhum outro".

sábado, 30 de janeiro de 2010























Mudaria todo o curso da minha vida se ao menos vc me falasse que ainda temos chances de ser feliz um ao lado do outro. Largaria tudo para ver vc todas as manhã ao acordar, nos momentos difíceis quero ser a pessoa que vai ter dar um abraço e meu colo, e compartilhar tudo com vc.
Só falta vc dizer... Sim, vem ficar comigo!!!






sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Como eu queria...


Que as nossas vida tivessem se unido mais uma vez, que as coisas não estivessem acabado como acabou...

Como eu queria não errado como errei com vc, ainda dói , ainda sinto tua falta, ainda choro..

Não vou dizer que nunca mais vou amar alguém, pois estaria mentindo para mim e para vc... Mais o que senti e sinto por vc ateh hj foi unico. Ateh o exato momento ninguém conseguiu me fazer te esquecer e nem te tirar da minha cabeça..

Sinto falta dos minimos detalhes, ateh de um sorriso ao acordar, ateh dos beijos qdo faziamos as pazas depois de umabriga besta que normalmente era eu que começava.

Eh tão dificil ver que não temos mais nenhuma chance de ficar juntos, passou o tempo...cada um foi para um lado, seguiu sua vida.

Acheii que era para sempre, mais o pra sempre não existe!!!!

Foi muito bom o tempo que estivemos juntos... Te amo ainda e sinto tua falta.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010


Meus maiores erros, as melhores loucuras, os mais dolorosos arrependimentos, as escolhas mais idiotas…
A parte mais sem grana, mas com as melhores baladas.
A com os piores porres e a com as mais sinceras risadas.
A época mais simples, mais divertida, mais marcante…
E a que eu tenho mais saudades.

Mas se amanhã você partir,
E eu ainda vou manter
a promessa de
Gastar o resto de mim em você.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010


Não, baby! Acho que você não entendeu!
Eu não perdi nada...
...afinal o que não tem valor não se perde, simplesmente se abandona!!!

domingo, 24 de janeiro de 2010

Dor em pedaços...

Queria te contar da vida. Hoje, amanheceu um dia cinza, mas essa semana foi toda céu claro e, salvo hoje, o tempo não chorou uma só vez. Não gosto da ironia das nuvens que, quando mais queremos favor, elas nos são contra, avessas ao sentimento que machuca, que rasga o peito. Em contraste, o céu límpido. Flocos de nuvens raros e a sensação de traição do mundo: eu não gosto de ver beleza quando tudo é dor aqui dentro e, tal como eu, acredito que você também não.

Mas eu queria te contar da vida. Dizer que os pássaros cantaram nostalgia, que o beija-flor beijou a flor da janela, que o orvalho escorreu pela noite triste. E foi bonito. A vida, traída, é bonita, doce. O mundo tem sua própria maneira de tentar reconfortar e, por vezes muitas, ele não te faz companhia no sentir, do contrário, mostra que o belo continua existindo, mesmo quando tudo é triste. Talvez seja um meio — fraco — de fazer aliviar, de fazer continuar, de mostrar como é simples — não fácil — viver o passar dos dias, sem só sentar e esperar a vida passar.

O anjo que foi, sempre ficará. Assim penso eu, que sonho acordada com uma presença não mais constante, coisa que tu sabes de cor e salteado, pois sempre fizeste presença nessa parte da vida minha. Recente, bem sei, mas presente. Nenhuma dor dura pela eternidade, bonita. Rasga, machuca, sangra. Mas passa. Tal como os amores platônicos, a dor também passa. Tarda. E, enquanto tua dor não passa, enquanto tua ferida sangra, eu queria apenas dizer-te para que olhes a vida. Essa vida, bonita de muitas formas, irritante de tantas outras, mas ainda sim, vida. A vida de quem fica. A vida que fica. E que tem razões muitas para ser vivida.

sábado, 16 de janeiro de 2010

A verdade é que..

Seu amor é a minha curaa.
É doce paixão ninguém segura!!!!

sábado, 9 de janeiro de 2010

Teu....

Cinza. Se há uma cor que pincele essa semana, seria o cinza. Essa cor que não é cor alguma, nem escura demais para ser noite, nem clara demais para ser dia. Amanheci e adormeci entre os tons grafite e chumbo, que descoloriu o início do ano, transformando o verão em inverno gelo. É, faz frio. O vento sopra manso, arrepiando os pêlos, outrora negros. Agora, meu braço é feito sol, tal com o teu, que brilha dourado o ano inteiro.

Senti falta do céu claro sobre minha cabeça, daquele tom de azul que só teus olhos sabem imitar com maestria. Talvez ele seja apenas reflexo daquilo que carregas na face, da piscina que há tempos mergulhei e da qual não anseio sair. Não, podes roubar-me o fôlego por uma vida inteira — eu não necessito mais de ar. O teu respirar em meu ouvido sacia toda a necessidade de um corpo humano e sei ser capaz de conviver com isso apenas.

Vês? Nada mais me importa. Depois do céu claro e das noites bordadas de estrelas, entre fogos de artifício nossos e cobertores emaranhados, o cinza só serve para chover, esfriar. Água fria em corpos quentes, um chiado, vapor que logo some e o teu sorriso, acalorado, fazendo contraste com a minha vermelhidão desnecessária. Quando o meu céu é azul, meu coração não lamenta, não entra em prantos e não chove dores. Tu afugentas todo o medo que me ronda nesses dias cinzas. Desprovido de qualquer cor. Desprovido de você, amor.