Páginas

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Eu acho que a gente precisa conversar pessoalmente.

Eu acho que a gente precisa parar de fingir que se importa.
Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade. sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa. Mais tarde, mude de mesa. Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua. depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente, observando com atenção os lugares por onde você passa. Tome outros ônibus. Mude por uns tempos o estilo das roupas. Dê os teus sapatos velhos. Procure andar descalço alguns dias. Tire uma tarde inteira pra passear livremente na praia, ou no parque, e ouvir o canto dos passarinhos. Veja o mundo de outras perspectivas. Seja livreeee!
O orgulho separa muito mais do que os quilômetros.
ah, que vontade de voar sem limites, libertar os desejos reprimidos, bater as asas da imaginação, visitar todos os meus paraísos, esquecer a vida de opressão sem limites, sonhar os sonhos esquecidos, amar o amor proibido, reencontrar os amigos perdidos soltar a voz do canto contido, sem limites resgatar a pureza da vida, libertar minha alma no mundo, expulsar a raiva contida, me transformar num gira-mundo. então faça dos seus sonhos realidade, sonhos não são só sonhos, são desejos de vive
”Se você errou, peça desculpas... É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado?  Se alguém errou com você, perdoa-o... É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender?” 

(Cecília Meireles)
Porque quem ama nunca sabe o que ama, Nem sabe porque ama, nem o que é amar, Amar é a eterna inocência. E a única inocência, é não pensar...


Fernando Pessoa

Eu aprendi...
...que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você esta escalando-a... 
Cheguei ao ponto no qual já não avanço e nem recuo. Fico aqui parada  debaixo do sol olhando, vazia, para os lados. Forço a visão e concluo que não há nada a ser visto. Atônita, exausta, inerte: não há nada novo. Não me recuso, não me impeço e tudo me atravessa sem ferir.  Assim, sem sentir nada não é possível gostar de nada: eis o limite em que transbordei, enfim. Talvez seja culpa da vodca, talvez seja porque nada mais me caiba, talvez  realmente não haja mais o que fazer. E eu não sei se isso é bom ou ruim.

domingo, 21 de novembro de 2010

Amor não se pede
Se implorar resolvesse, não me importaria. De joelhos, no milho, em espinhos, agachada, com o cofrinho aparecendo.
Uma loucura qualquer, se ajudasse, eu faria com o maior prazer. Do ridículo ao medo:  pularia pelada de bungee jump.  Chorar, se desse resultado, eu acabaria com a seca de qualquer Estado, de qualquer  espírito.  Mas amor não se pede, imagine só.  Ei, seu tonto, será que você não pode me olhar com olhos de devoção porque eu estou  aqui quase esmagada com sua presença? Não, não dá pra dizer isso.  Ei, seu velho, será que você pode me abraçar como se estivéssemos caindo de  uma ponte porque eu estou aqui sem chão com sua presença? Não, você não pode dizer isso.  Ei, monstro do lixo, será que você pode me beijar como um beijo de final de filme porque eu estou aqui sem saliva, sem ar, sem vida com a sua presença? Definitivamente, não, melhor não.  Amor não se pede, é uma pena.  É uma pena correr com pulinhos enganados de felicidade e levar uma rasteira.  É uma pena ter o coração inchado de amar sozinha, olhos inchados de amar sozinha. Um  semblante altista de quem constrói sozinho sonhos.  Mas você não pode, não, eu sei que dá vontade, mas não dá pra ligar pro  desgraçado e dizer: ei, tô sofrendo aqui, vamos parar com essa estupidez de não me amar  e vir logo resolver meu problema?  Mas amor, minha querida, não se pede, dá raiva, eu sei.  Raiva dele ter tirado o gosto do mousse de chocolate que você amava tanto.  Raiva dele fazer você comer cinco mousses de chocolate seguidos pra ver se, em algum  momento, o gosto volta.  Raiva dele ter tirado as cores bonitas do mundo, a felicidade imensa em ver crianças sorrindo, a graça na bobeira de um cachorro querendo brincar.  Ele roubou sua leveza mas, por alguma razão, você está vazia.  Mas não dá, nem de brincadeira, pra você ligar pro cara e dizer: ei, a vida é curta pra sofrer, volta, volta, volta.  Porque amor, meu amor, não se pede, é triste, eu sei bem. É triste ver o Sol e não vê-lo se irritar porque seus olhos são claros demais, são tristes as manhãs que prometem mais um dia sem ele, são tristes as noites que cumprem a promessa.  É triste respirar sem sentir aquele cheiro que invade e você não olha de lado, aquele cheiro  que acalma a busca. Aquele cheiro que dá vontade de transar pro resto da vida.  É triste amar tanto e tanto amor não ter proveito. Tanto amor querendo fazer alguém feliz.  Tanto amor querendo escrever uma história, mas só escrevendo este texto  amargurado.  É triste saber que falta alguma coisa e saber que não dá pra comprar, substituir, esquecer,  implorar.  É triste lembrar como eu ria com ele.  Mas amor, você sabe, amor não se pede. Amor se declara: sabe de uma coisa?  Ele sabe, ele sabe.

Tati Bernardi

sexta-feira, 12 de novembro de 2010


Caro Papai Noel

Sei que é cedo,mais assim o Senhor não tem desculpa de dizer que estava atarefado demais,afinal estou

justamente pedindo adiantado, porque entendo bem sua correria na véspera do Natal.

Sei que o caso é bem mais complicado que a tal Caloi daquele ano de 1900 e bolinha,mas mesmo sendo complicado na época eu a encontrei,novinha em folha reluzente de brilhante aos pés da minha cama.

Tá certo que não tinha as rodinhas que me fariam cair menos,mas também pra que serveria não é, se depois aqueles monstros dos meus primos me ensinaram a andar nela soltando-me ladeira abaixo.

Ou aprendia ou aprendia.

Vamos ao que interessa,o caso dessa vez é bem mais complicado.

O pedido é o seguinte: Quero um namorado.

O Senhor bem sabe que com os anos tornei-me seletiva e fui apurando bastante esse meu querer,portanto Papai Noel,não serve qualquer um.

Quero um namorado charmoso,o Senhor há de concordar que nem falei de boniteza,mas tem que ter sorriso largo,franco(daqueles que apaixonam saca?).

Se for grande vou adorar .

Isso sem falar que o abraço dos mais "fortes" são sempre mais aconchegantes(saca aquela coisa de abraço de urso?),então...

Por favor que seja um com nivel cultural legal,com uma profissão já definida,alguem sem muitas frustrações ,pelo menos não aquelas que amargam e fazem virar gelo o que pretendo fogo.

Se tiver ex que seja bem resolvido com ela,esses que falam mal da ex não são lá grande coisa.

Ah Papai Noel que ele seja louco por livros,e ame passar tardes frias tomando chocolate quente,lendo enquanto eu leio também,assim poderemos discutir o que estamos lendo depois.

Um que tenha amigos e que goste que eu tenha os meus .

Que tenha pegada,atitude e que na maioria das vezes decida onde vamos e me leve pela mão.

Um que eu admire(não concebo estar com alguem sem admirar).

Ah se gostar de sexo tanto quanto eu gosto seria perfeito.

Ah,pode perguntar por ai,fui comportada e na medida do possível não fiz mal a ninguem (acho até que poderia ter feito mais bem do que fiz é verdade,mas mal eu não fiz ,garanto).

Posso esperar o presente Papai Noel?

Agora Papai Noel,sem ser muito exigente e chata,pode ser pra semana que vem?

Porque se eu tiver que esperar até depois do dia 25 de dezembro terei que arrumar um ficante quebra-galho,a coisa anda terrivel e o Senhor sabe,esse assanhamento que me vai por dentro é dificil de conter.

Aguardando ansiosa,com carinho


PS: não precisa vir embrulhado pra presente,afinal a intensão é desembrulhar todinho mesmo (risos) .

segunda-feira, 8 de novembro de 2010


Dizem que a pessoa certa existe para cada um que acredita em certezas e não duvida de um destino quase irônico e pouco sarcástico. Eu custava a acreditar até perceber que nossos caminhos sempre se cruzariam, simplesmente porque até mesmo os nós, os embaraços, os desalinhos, passam pelo mesmo lugar. Mentira! Foi aí que acreditei em destino... em sorte... em Santo Antonio... em mágica... em amor de carnaval... em luas amarelas e tardes coloridas. Até em arco-íris eu passei a acreditar. Sete, pra ser mais precisa. Acreditei em você, em mim, em dois, tanto em nós..

Hoje eu só queria ouvir “eu liguei para saber se você tá bem” para sentir uma dor menos doída dentro do peito.

Cansei de amar pela metade. Cansei de me sentir sozinha. Cansei de tanta mentira.

Cansei dos dias iguais, da rotina. Cansei de mim e de me deixar sempre em última opção.

Cansei de mentir pra mim, para ver se dói menos. Cansei de me preocupar com quem não se preocupa comigo.

Cansei de sofrer e de acordar indisposta, cansei de sentir o coração bater mais forte, com uma sensação de arrependimento, de erro.

Cansei de tudo.”


Eu queria sair por aquela porta e encontrar alguém. Assim sem precisar procurar na multidão. Alguém que me levasse ao cinema e, depois de um filme sem graça me roubasse gargalhadas. Alguém que segurasse a minha mão e tocasse meu coração; que não me prendesse, não me limitasse, não me mudasse. Alguém que me roubasse um beijo no meio de uma briga e me tirasse a razão, sem que isso me ameaçasse; que me dissesse que eu canto mal, que eu falo demais e que risse das vezes que eu fosse desastrada. Alguém que me olhasse nos olhos quando falo, sem me deixar intimidada. Alguém com qualidades e defeitos suportáveis. Que não fosse tão bonito e ainda assim eu não coseguisse olhar em outra direção. Alguém que me encontrasse até quando eu tento desesperadamente me esconder do mundo. Eu queria sair por aquela porta e conhecer alguém imperfeito. Feito pra mim :)

Eu tenho vontade de te ligar no meio da noite pra dizer que eu tô morrendo de saudades e que eu não vivo sem você. De gritar pra quem quiser ouvir, mas principalmente pra quem não quiser, o tanto do tanto que eu amo você, e que ninguém vai tirar isso de mim. Eu tenho vontade de passar todas as noites do resto da minha vida de conchinha e beijo de esquimó. Eu tenho vontade de cheirar, de morder sua orelha; só que antes de qualquer coisa, eu tenho vontade do seu coração pelo resto da vida aqui do meu lado, batendo disparado, na velocidade do meu.

Quando você ama, você se machuca. Quando você se machuca, você odeia. Quando você odeia, você tenta esquecer. Quando você tenta esquecer você começa a sentir falta. E quando você começar a sentir falta.. Você eventualmente se apaixona novamente